De lá pra cá – Daqui prali

CD_arte_capa_delapraca_daquiprali_web

 Álbum De lá pra cá – Daqui prali: Samba do Nenem- grupo Carona Brasil (2015)

Em 2015 o Carona Brasil lança o álbum “De lá pra cá – Daqui prali”. O repertório é o resultado de um trabalho de pesquisa no universo prodigioso dos compositores mineiros de diferentes épocas da música brasileira, fazendo um paralelo sutil entre eles. O álbum apresenta compositores dos quatro cantos de Minas Gerais e mostra que o mineiro também faz música atemporal e universal.

1. A feira (2004) – Pablo Bertola (Barbacena) e Júlia Medeiros (São João Del Rei)

2. Mater e Pater (2002) – Ladston do Nascimento (Belo Horizonte) e Antônio Martins

3. Papel Machê (1983) – João Bosco (Ponte Nova) e Capinan

4. Samba do Nenem (1989) – Gilvan de Oliveira (Itaú de Minas)

5. Áfrico (2001) – Sérgio Santos (Varginha) e Paulo César Pinheiro

6. Maringá (1932) – Joubert de Carvalho (Uberaba)

7. Lud (2006) – Flávio Henrique (Belo Horizonte) e Carlos Rennó

8. Suíte das mulatas

Sem Compromisso (1944) – Geraldo Pereira (Juiz de Fora) e Nelson Trigueiro

Faceira (1928) – Ary Barroso (Ubá)

Mulata Assanhada (1956) – Ataulfo Alves (Miraí)

9. Meu meio de ser inteira (2013) – Sílvia Maneira (Araxá)

10. Saudade (1963) – Mário Palmério (Monte Carmelo)

11. O que foi feito deverá / O que foi feito de Vera (1978) – Milton Nascimento (Rio de Janeiro-RJ/Três Pontas-MG) – Fernando Brant (Caldas) – Márcio Borges (Belo Horizonte)

12. Suíte futebol

Um a Zero (1919/1992) – Pixinguinha, Benedito Lacerda e Nelson Ângelo (Belo Horizonte)

Galo e Cruzeiro (1998) – Vander Lee (Belo Horizonte)

É Uma Partida de Futebol (1995) – Samuel Rosa (Belo Horizonte) e Nando Reis

.

Este álbum foi gravado no segundo semestre de 2014, no Ultra Estúdio, em Belo Horizonte, com a direção musical de Gilvan de Oliveira, os arranjos vocais de Gilvan de Oliveira e Sílvia Maneira, a direção vocal de Babaya e a participação especial de Célio Balona. A produção fonográfica e a produção executiva são de Rosana Tunes. A capa do álbum é uma aquarela do artista plástico José Alberto Nemer e o design gráfico de Mariana Rottenstein Nemer. A apresentação é do jornalista Francisco Brant.

A gravação do CD e os shows de lançamento fazem parte do projeto aprovado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura e patrocinado pela CBMM, ELETROBRAS E CEMIG.


 

Bossa, Coisa Nossa

 Álbum Bossa Coisa Nossa: O Barquinho


No início de 2010 o Carona Brasil, ainda com a sua primeira formação, gravou o álbum “Bossa, Coisa Nossa”, um documento da cultura musical brasileira do final da década de 50 e da década de 60, quando a Bossa Nova rompe com o antigo, traz o moderno, o novo, e canta com enfoque otimista “o amor, o sorriso e a flor”. O grupo canta uma geração de poetas, compositores e músicos que são o orgulho e a riqueza artística do País.

A gravação foi no Estúdio Acústico, em Belo Horizonte, com a direção musical de Gilvan de Oliveira, os arranjos vocais de Gilvan de Oliveira e Sílvia Maneira, a direção vocal de Babaya e a participação especial de Roberto Menescal – voz e guitarra. A produção fonográfica e a produção executiva foram de Rosana Tunes e o projeto gráfico da capa do artista César G. Villela.

Antes da gravação deste álbum, em 2008, o Carona Brasil fez apresentações do show “Bossa, Coisa Nossa” em Belo Horizonte, com o patrocínio da CBMM e, em 2009, em diversas cidades mineiras e também na capital.

Em 2010 foram realizados os shows de lançamento deste álbum em Belo Horizonte, Ipatinga, Pouso Alegre, Curvelo, São João Del Rei, em outras cidades mineiras e também em Brasília e no Rio de Janeiro.

A gravação deste álbum e a circulação dos shows de lançamento fazem parte de projetos aprovados pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura e patrocinados pela Usiminas e pela V&M do Brasil (Vallourec).

Músicas:

1. Garota de Ipanema (1963) – Tom Jobim e Vinícius de Moraes

2. Suíte Copacabana

Sábado em Copacabana (1951) – Dorival Caymmi e Carlos Guinle

Copacabana – (1946) – João de Barro – Braguinha e Alberto Ribeiro

Copacabana de sempre (1987) – Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli

3. O Barquinho (1961) – Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli

4. Suíte Primavera

Primavera (1964) – Carlos Lira e Vinícius de Moraes

Minha Namorada (1966) – Carlos Lira e Vinícius de Moraes

Morrer de Amor (1967) – Oscar Castro Neves e Luvercy Fiorini

5. Influência do Jazz (1962) – Carlos Lira

6. Nós (1973) – Jonnhy Alf

7. Desafinado (1958) – Tom Jobim e Newton Mendonça

8. Imagem (1963) – Luiz Eça e Aloysio de Oliveira

9. They can’t take that away from ME (1937) – George e Ira Gershwin

10. La Ville Engloutie (Futuros Amantes) (1993) – Chico Buarque e Antenor Bogéa

11. A Rã (1971) – João Donato e Caetano Veloso

12. Coração sem Saída (Spring) (1992) – Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro

13. Chega de Saudade (1958) – Tom Jobim e Vinícius de Moraes

 


Corra e Olhe o Céu

 Álbum Corra e Olhe o Céu: Se tu Soubesses


Em março de 2007, dando um toque feminino e moderno às canções que consagraram mestres da Música Popular Brasileira da chamada Época de Ouro, como Pixinguinha, Noel Rosa, Villa-Lobos e Ary Barroso, entre outros, o Carona Brasil, com sua formação inicial, lançou pela Paulus Gravadora o álbum “Corra e Olhe o Céu”.

O repertório, historicamente alicerçado, foi escolhido entre as músicas dos compositores do inicio do século XX. Preservou-se o que cada canção tem de mais belo e foram feitos arranjos armados com contrapontos e polifonias, o que iluminou a beleza vocal do Carona Brasil, conferindo-lhe uma identidade ímpar.

Os instrumentos e as vozes revestiram de atualidade e delicadeza músicas que matam a saudade dos mais velhos e encantam os jovens.

 O álbum “Corra e Olhe o Céu” foi gravado em 2006, no Estúdio Via Sonora, em Belo Horizonte, com arranjos e a direção musical de Flávio Henrique, a direção artística de Tom Viana, os arranjos vocais de Sílvia Maneira, a direção vocal de Babaya e as participações especiais de Babaya, Ernani Maletta e Célio Balona. A produção executiva foi de Rosana Tunes e a produção fonográfica e distribuição de Paulus Gravadora. A capa do álbum teve projeto gráfico de Cilene Roso – Newxt Design.

 Músicas:

1. Corra e olhe o céu (1974) – Cartola e Dalmo Castello

2. Não tem tradução (1933) – Noel Rosa

3. Estátua da paciência (1931) – Noel Rosa e Jerônimo Cabral

4. Se tu soubesses (1945) – Georges Moran e Cristóvão de Alencar

5. Serenata nº 5 (Modinha) (1926) – Heitor Villa-Lobos e Manoel Bandeira

6. Ingênuo (1946) – Pixinguinha, Benedito Lacerda e Paulo César Pinheiro

7. Flor amorosa (1920) – Joaquim Calado e Catulo da Paixão Cearense

8. Lua branca (1912) – Chiquinha Gonzaga

9. Pra machucar meu coração (1943) – Ary Barroso

10. Arranha-céu (1937) – Sílvio Caldas e Orestes Barbosa

11. Enquanto houver saudade (1935) – Custódio Mesquita e Mário Lago

12. De conversa em conversa (1943) – Lúcio Alves e Haroldo Barbosa

13. Ontem ao luar (1918) – Catulo da Paixão Cearense

14. Cadeira vazia (1950) – Lupicínio Rodrigues

15. Corra e olhe o céu (reprise) (1974) – Cartola e Dalmo Castello

 

 

 

álbuns grupo vocal Carona Brasil: De lá pra cá – Daqui prali, Bossa coisa Nossa e Corra e Olhe o Céu

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •